Blog do Coração


Com a chegada do fim do ano, chegam também as famosas corridas de rua e com elas, os novos atletas. Muitos deles, que podem também ser chamados de atletas amadores, treinam para as corridas porque querem, talvez, superar seus próprios recordes, preparar-se fisicamente para o final do ano, ou até para adquirir um novo estilo de vida no ano seguinte. Porém, mais importante do que superar seus próprios limites, é verificar qual é o real estado da sua saúde.

braden-collum-87874Geralmente, as pessoas começam a prova muito ansiosas e terminam de forma muito intensa, o que pode gerar um estresse para o coração em um curto espaço de tempo e se o atleta não estiver suficientemente preparado para a maratona, pode não saber dosar a intensidade adequada da corrida para realizar a prova tranquilamente, o que pode servir como um gatilho para um infarto.

O diretor do departamento de Educação Física da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), Natan Junior, alerta corredores amadores a realizar um check up cardiológico antes de iniciar o treinamento para a corrida, pois todo indivíduo pode sofrer com ataques cardíacos se não houver uma preparação específica para tal. “Recomenda-se começar treinando de 3 a 5 vezes por semana, com uma intensidade de leve a moderada e, com o passar do tempo esse indivíduo aumente um pouco a frequência do treino para 4 vezes ou mais por semana, pois dessa forma todo o seu sistema cardiovascular estará condicionado para a prática da corrida.

É fundamental que aqueles que têm mais de 35 anos, ou histórico de doença cardíaca na família, estejam bem atentos à sua saúde cardiovascular, porque é a partir dessa idade que o ataque cardíaco fulminante se torna o principal motivo de mortes durante as atividades físicas. “O infarto pode ocorrer em qualquer idade, sendo que indivíduos mais idosos possuem uma chance maior de responder a esse evento positivamente, pois com o passar da idade podemos ter mais vasos colaterais que irrigam o coração, o que pode salvar um paciente no momento de uma parada cardíaca”, afirma o especialista da Socesp. “Esses vasos colaterais podem ser construídos devido a idade e também por indivíduos praticantes de exercício aeróbico”, completa.

As questões genéticas e a idade não são os únicos motivos que fazem uma pessoa sofrer com doenças cardiovasculares, é importante que estejamos sempre atentos à alimentação balanceada, hábitos saudáveis ligados ao estilo de vida (como por exemplo avaliar o consumo excessivo de álcool, fumo e uso de drogas) e, ficar sempre alerta às questões da saúde, como pressão alta (hipertensão arterial), colesterol alto, diabetes mellitus, sedentarismo, obesidade, depressão e estresse.

Natan Junior, recomenda ainda, que em casos de dores no peito, abdômen ou fortes e contínuas dores nas costas, falta de ar ou dificuldade em respirar, dificuldade em falar de forma clara, formigamento no braço esquerdo, cansaço excessivo, náuseas e tonturas acompanhadas de suores frios, o indivíduo pare imediatamente a competição e procure um pronto atendimento. Se possível, ainda no local na prova para serem realizados os primeiros socorros até que chegue um suporte avançado.