Blog do Coração


A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é uma doença poligênica e multifatorial, que pode causar lesão nos órgãos-alvo. É um problema de Saúde Pública e apresenta custos elevados, em função das complicações: Acidente Vascular Cerebral, Doença Arterial Coronariana, Insuficiência Cardíaca, Insuficiência Renal Crônica e Doença Vascular de Extremidades. Caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA), sendo que para adultos o recomendado é PA = 140 mmHg de pressão sistólica e  = 90 mmHg de pressão diastólica. Os principais fatores de risco são idade, gênero, etnia, excesso de peso e obesidade, ingestão elevada de sal, ingestão de álcool, sedentarismo, fatores socioeconômicos e genéticos.

O objetivo da prevenção e do tratamento da HAS é reduzir a morbimortalidade cardiovascular por meio de modificações no estilo de vida que favoreçam a redução e o controle da doença. O tratamento não medicamentoso, como controle de peso, redução da ingestão de sódio e gorduras, maior ingestão de fibras, vitaminas e minerais, incluindo o potássio, redução do consumo de bebidas alcoólicas e café, prática de atividade física regular e abandono do tabagismo, é recomendado em todos os estágios da doença, associado ou não ao medicamentoso.

O atendimento nutricional visa identificar hábitos alimentares inadequados e incorporar hábitos saudáveis e permanentes. Para tanto, se recomenda de forma geral evitar o uso do saleiro à mesa e a adição do sal aos alimentos durante a preparação, bem como o consumo de alimentos processados e industrializados, como:

- Embutidos: salsicha, presunto, salame, linguiça, mortadela, paio, calabresa, mortadela.

- Conservas e enlatados: milho, azeitona, palmito, ervilha, patês.

- Alimentos defumados: carne seca, bacalhau, toucinho.

- Salgados: croquetes, coxinha, empada, esfiha, quibes, salgadinhos de pacote.

- Alguns queijos: parmesão, roquefort, cheddar, provolone.

- Molhos prontos industrializados: catchup, shoyo, mostarda, inglês.

- Margarina e manteiga com sal.

- Sopas industrializadas, temperos e molhos prontos, caldos de carne.

O sal pode ser substituído por ervas, especiarias, vinagre e limão. Segundo a VI Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial é recomendável a ingestão de até 5g de sal/dia, considerando 3g (3 colheres de café rasas) de sal de adição e 2g de sal intrínseco dos alimentos. A mesma diretriz sugere um padrão de dieta, a Dietary Approaches to Stop Hypertension (DASH), para controle da hipertensão, rica em potássio, cálcio, magnésio, fibras e proteína, e reduzido teor de gordura saturada e colesterol.

O Departamento de Nutrição da SOCESP orienta que a prescrição dietética deve ser individualizada e deve respeitar sempre os hábitos alimentares, estilo de vida e condição socioeconômica. A participação de uma equipe multiprofissional é fundamental para o sucesso do tratamento.

Colorir o prato para colorir a vida

O segredo para uma alimentação saudável está na regularidade das refeições, comer de 3 em 3 horas, consumir dois litros de água por dia, e compor o prato de alimentos variados e coloridos. Pesquisas comprovam que quanto mais colorida a refeição mais nutrientes. As cores que os alimentos naturais ou in natura contém são pigmentos e não podem ser confundidas com corantes presentes em alimentos artificiais. Os pigmentos, além de tornar os alimentos mais atraentes, exercem funções fundamentais que contribuem para o bom funcionamento do organismo. Confira:

Amarela e laranja - Reforçam as defesas: A coloração alaranjada dos alimentos, como mamão, cenoura, manga, abacaxi, milho, pêssego e batata doce, é em função do betacaroteno, que ao ser ingerido se transforma em vitamina A. Além de deixar a pele mais bonita, o excedente  fortalece o sistema de defesa e a visão.

Branca - Regula o intestino: Batata com casca, couve-flor, cogumelo, banana e feijão branco contém mais fibras que outros alimentos. Em função disso, evitam a prisão de ventre e fortalecem o intestino. O alho e a cebola melhoram a resistência imunológica e são antioxidantes.

Vermelha - Desintoxicante: A cor vermelha é devida ao licopeno e bons exemplos de alimentos são cereja, tomate, caqui e melancia. É um antioxidante natural que protege o organismo de substâncias químicas agressivas às células e também é capaz de prevenir o câncer.

Roxo e azul - Cuidam do coração: Os alimentos de cor arroxeada, como ameixa, uva, figo, beterraba e repolho roxo, possuem o pigmento antocianina, fundamental ao organismo porque tem a capacidade de melhorar a circulação e, por consequência, protege o coração. As frutas secas são as que mais contêm antocianinas.

Marrom - Rejuvenescedor: Os cereais integrais, massas, pães e as oleaginosas (castanhas, nozes e amêndoas) são alimentos ricos em vitamina E, a principal protetora contra o envelhecimento precoce. Seu consumo também previne a anemia, prisão de ventre e ganho excessivo de peso.

Verde - Limpeza: Esse grupo traz a maioria dos benefícios dos outros alimentos, além de conter a maior taxa de clorofila, que impede a absorção pelo intestino de substâncias químicas e é responsável pela limpeza do organismo.

Desfrute do prazer de viver e se alimentar bem! Invista em qualidade de vida.

nutri


Por: Cibele Regina Gonsalves, diretora científica do Departamento de Nutrição da SOCESP, gestão 2014 – 2015.

Referências bibliográficas:

Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão / Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010; 95(supl1): 1-51.

Costa AR. Tratamento da hipertensão arterial sistêmica: prevenção de acidente vascular cerebral e insuficiência coronariana. In: Barreto ACP, Santello JL. Manual de hipertensão - Entre a evidência e a prática clínica. São Paulo, Lemos Editorial: 149-168, 2002.

Weinstock RS, Dai H, Wadden T. Diet and exercise in the treatment of obesity. Effects of three interventions on insulin resistance. Arch Int Med 158: 2477– 2483, 1998.

Altorf W, Kuil VD, Engberink MF, Brink EJ, Baak MAV, Bakker SJL, et al. Dietary protein and blood pressure: a systematic review. PLoS ONE 5(8): e12102, 2010.

Myers MH, Champagne CM. Nutritional effects on blood pressure. Curr Opin Lipidol  18:20-24, 2007.

Dickinson HO, Mason JM, Nicolson DJ, Campbell F, Beyer FR, Cook JV, et al. Lifestyle interventions to reduce raised blood pressure: a systematic review of randomized controlled trials. J Hypertens 24:215-233, 2006.

Appel LJ, Brands MW, Daniels SR, Karanja N, Elmer PJ, Sacks FM. Dietary approaches to prevent and treat hypertension: a scientific statement from the American Heart Association. Hypertension 47: 296-308, 2006.

Consenso Latino Americano sobre Hipertensão Arterial. J Hypertens 6(2): 83-110, 2001.

Joint National Committee on Prevention, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure. The Seventh Report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure. Bethesda, MD, US Dept of Health and Human Services, 2004.

Blumenthal JA, Babyak MA, Hinderliter A, Watkins LL, Craighead L, Lin PH, et al. Effects of the DASH diet alone and in combination with exercise and weight loss on blood pressure and cardiovascular biomarkers in men and women with high blood pressure. Arch Intern Med 170(2):126-135, 2010.

Ard JD, Svetkey LP. Lowering blood pressure using a dietary pattern: a review of the Dietary Approaches to Stop Hypertension (DASH) Trial. J Clin Hypertension 2(6): 387-391, 2000.