Blog do Coração


Para qualquer intervenção em saúde é fundamental o conhecimento do perfil geral do paciente, de quem se deve obter na anamnese informações que darão ao profissional subsídios para um bom diagnóstico e assim estabelecer um planejamento terapêutico correto.

A doença cardíaca é mundialmente um grande problema sistêmico e o cirurgião-dentista deve estar atento a seu paciente.

Quando as bactérias presentes no meio bucal entram nos tecidos por instrumentos de cirurgia, sondagem periodontal e até mesmo por escovação rigorosa chegam à corrente sanguínea e provocam uma bacteremia transitória.

Em um cardiopata, as bactérias podem ficar hospedadas no coração, desenvolvendo uma infecção conhecida como endocardite infecciosa. Cabe então ao cirurgião-dentista estar atento a seu paciente e fazer uma profilaxia antibiótica antes da intervenção.

Atualmente, estudos têm sido feitos buscando conhecer melhor o risco que as infecções bucais, mais especificamente a periodontite, podem conferir às doenças cardíacas. A periodontite é uma infecção crônica que afeta as estruturas de suporte dos dentes (inflamação dos tecidos levando a perda óssea), provocada por bactérias que habitam a cavidade bucal juntamente com a abundante presença de biofilme e cálculo dental. Muito embora ainda não seja considerada causa de doença cardiovascular, algumas evidências mostram que é um fator de risco. Daí a necessidade de orientar o paciente sobre higiene bucal para diminuição do número de bactérias patogênicas.

É de suma importância que o paciente com problema no coração saiba como manter a boa qualidade de sua saúde bucal. O indivíduo deve usar escova dental com cerdas macias, cabeça pequena e deve trocá-la a cada três meses. Deve usar creme dental adequado à sua necessidade, usar fio dental, nos espaços com falta de dentes, usar próteses apropriadas para restabelecer a oclusão harmônica, o que propicia melhor mastigação e consequentemente integridade dos tecidos bucais, e ainda procurar o cirurgião-dentista a cada seis meses.

Lembre-se que depende de você preservar sua saúde bucal, parte integrante da saúde geral, e de informar seu dentista sobre seu problema cardíaco e quais medicamentos faz uso.

Por: Camila Galatti Abdala, especialista em Odontopediatria pela Universidade de Guarulhos, mestranda em Ciências Odontológicas pela Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP) e Ana Estela Haddad, professora livre docente do Departamento de Ortodontia e Odontopediatria pela Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP).

Referências: Bascones-Martínez A, Muñoz-Corcuera M, Bascones-Ilundain J. Relationship between odontogenic infections and infective endocarditis Med Clin (Barc). 2012 Mar 24;138(7):312-7. El-Shinnawi U1, Soory M. Associations between periodontitis and systemic inflammatory diseases: response to treatment. Recent Pat Endocr Metab Immune Drug Discov. 2013 Sep;7(3):169-88. Serrano Jr. CV, Oliveira MCM, Lotufo RFM, Moraes RGB, Morais TMN. Cardiologia e Odontologia-Uma visão Integrada. São Paulo: Santos 2007: 13-18.