Blog do Coração


Causas: O infarto agudo do miocárdio é causado pela interrupção do fluxo sanguíneo para parte do coração, levando à morte celular. Acontece após oclusão de uma artéria  coronária, causada pela ruptura de uma placa aterosclerótica vulnerável situada na parede arterial. A restrição do fluxo sanguíneo, interrompendo o fornecimento de oxigênio e nutrientes, se não tratada por um período superior a 30 minutos, pode levar ao infarto.

Sintomas: A dor torácica do infarto é de início súbito, localizada na região central do peito, podendo irradiar tipicamente para o lado esquerdo, ou para a face interna do braço esquerdo, conforme demonstrado na figura abaixo. É uma dor habitualmente em aperto ou opressão, podendo ser em queimação. A dor pode ser acompanhada de falta de ar, sudorese intensa, náuseas, vômitos, intensa ansiedade e sensação de morte iminente. Esta dor tem duração máxima de algumas horas. Dores em pontada ou facada, ou com apenas alguns segundos de duração, não são, frequentemente, relacionadas ao infarto.

Confirmação do diagnóstico: Entre os exames que confirmam o diagnóstico do infarto estão o eletrocardiograma e exames de sangue para dosagem de enzimas cardíacas, indicadoras de lesão às células cardíacas. Alguns infartos podem não apresentar alterações típicas no eletrocardiograma e, nestes casos, são necessárias dosagens seriadas de enzimas cardíacas (denominadas troponinas).

Tratamento: Em infartos com alterações do eletrocardiograma, denominadas supradesnivelamento do segmento ST, a artéria coronária deve ser imediatamente desobstruída, ou por angioplastia ou por trombolíticos, que são medicamentos que dissolvem o trombo formado dentro da artéria. Qualquer que seja a intervenção terapêutica escolhida, esta deve ser realizada o mais breve possível.

Por: Dr. Pedro Farsky, diretor da SOCESP na gestão 2010 - 2011