Blog do Coração


Diabetes: prejuízos ao organismo

A Diabetes é caracterizada pela elevação do açúcar no sangue, o que acarreta prejuízos sérios ao organismo. A maioria dos alimentos que ingerimos é transformada em glicose ou açúcar, utilizado como fonte de energia pelo nosso organismo. A insulina, produzida pelo pâncreas, é o hormônio responsável pela entrada de glicose nas células, que será utilizada como fonte de energia.

Histórico familiar de diabetes pode aumentar significativamente o risco de desenvolvera doença. Diabetes não tratado pode a cegueira, doenças renais, doenças nervosas, amputações de membros e as doenças cardiovasculares (DCV). Assim sendo, o diabetes é um importante fator de risco para o derrame (acidente vascular cerebral) e doenças coronárias, incluindo o infarto agudo do miocárdio. Pessoas portadoras de diabetes podem evitar ou atrasar doenças cardíacas e dos vasos sanguíneos, controlando adequadamente os níveis de glicose no sangue e os outros fatores de risco.

A diabetes é definido, clinicamente, como uma glicemia (níveis sanguíneos de glicose) em jejum igual ou acima de 126 mg/dl. Pré-diabetes ou intolerância à glicose é uma condição em que os níveis de glicose no sangue estão acima dos valores normais (glicemia de jejum entre 100 e 125 mg/dl), mas ainda não é considerado diabético. Glicemia em jejum alterada e teste de tolerância à glicose (GTT) são os estados intermediários entre o normal e o diabetes.

Tipos de Diabetes:

A diabetes tipo 2 é a forma mais comum de diabetes. Encontra-se mais frequentemente em adultos de meia idade. Hoje, porém, adultos jovens desenvolvem diabetes tipo 2 em uma taxa alarmante. Tem início quando o organismo não produz insulina suficiente ou se desenvolve "resistência à insulina", ou seja, o organismo não consegue utilizar eficientemente a insulina que é produzida.

A diabetes tipo 1 acontece, geralmente, em crianças e adultos jovens. No tipo 1, o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina, sendo necessário o uso diário de insulina.

Tratamento:

 A diabetes é tratável, mas, mesmo quando os níveis de glicose estão sob controle, há aumento do risco de doença cardíaca e derrame. Na verdade, a maioria das pessoas com diabetes morrem de alguma forma de doença cardíaca ou relacionada a vasos sanguíneos.

O estado pré-diabético ou diabetes tipo 2 posterior resulta, geralmente, de resistência à insulina. Quando a resistência à insulina ou diabetes ocorre com outros fatores considerados de risco para doenças cardiovasculares, como obesidade, hipertensão, colesterol anormal ou triglicérides elevados, o risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral ficam ainda mais elevado.

Quando o diabetes é detectado, são necessárias mudanças nos hábitos alimentares, programas de exercícios, interrupção do tabagismo, e medicação para manter os níveis de glicose adequados. Na presença do diabetes, é extremamente importante um controle mais rígido da pressão arterial e níveis do colesterol.

Por: Dr. Pedro Farsky, diretor da SOCESP na gestão 2010 - 2011.